25 de abril

Sociedade com Cristo

Vão pelo mundo todo e preguem o evangelho a todas as pessoas. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Marcos 16:15 e 16, NVI.

Tendo finalmente chegado à ilha de Mussau, realizei uma de minhas ambições de longa data. Era a ilha onde os missionários Oti e Salau haviam desembarcado muitos anos antes. Eles tinham respondido à mensagem: "Sua missão, se escolherem aceitá-la, será perigosa. Os riscos são elevados. Sua tarefa – levar a mensagem do Príncipe Emanuel aos habitantes de Mussau. Você e Salau não estarão sós. Vocês não Me verão, mas estarei com vocês."

Os dois missionários haviam mudado os habitantes da ilha. Não havia mais canoas de guerra enviadas a outras ilhas para pilhar e violentar. Em vez disso, mais de 2.000 felizes membros da igreja puseram-se em fila ao longo da trilha que levava ao topo da colina, onde se localizavam a igreja e a escola da missão. Todos cantavam: "Estamos felizes hoje; estamos felizes hoje!" Então, como saudação especial, todos começaram a cantar: "Sejam bem-vindos! Sejam bem-vindos a Mussau!"

Que maravilha ouvir aqueles 14 corais que nos aguardavam! Nossos anfitriões nos contaram que quando Oti e Salau chegaram a Mussau, o governador do território não lhes deu a garantia de poder protegê-los, porque os ilhéus eram muito ferozes. Quando Oti e Salau tiveram o primeiro contato com os habitantes, os dois missionários começaram a cantar para eles. A música não fazia parte da cultura em Mussau, de modo que atraiu as pessoas e elas suplicaram aos homens que as ensinassem a cantar. Não demorou muito para que começassem as Escolas Sabatinas, e foi feito um pedido de ajuda para a sede da Missão. Nunca nos esqueceremos de nosso dia em Mussau.

Em resposta ao desafio de Deus para que Oti e Salau fossem a todo o mundo e pregassem o evangelho, uma ilha inteira se regozija agora com a nova vida. Alguém descreveu isso de maneira linda nesta oração: "Ó Deus, antes nós não Te conhecíamos. Nunca tínhamos ouvido Teu nome até que os missionários chegassem. Agora já conhecemos Jesus e pretendemos permanecer apegados a Ti para sempre!"

Oti e Salau enfrentaram uma tarefa impossível, mas sua missão se tornou possível porque tinham feito sociedade com Jesus, que prometera: "Estou convosco todos os dias." Mat. 28:20. – HMSR


26 de abril

Jesus Cura um Paralítico

Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse: "Homem, os seus pecados estão perdoados." Lucas 5:20, NVI.

Jesus estava ensinando numa casa apinhada em Cafarnaum. Os curiosos, os hostis fariseus e alguns que estavam ansiosos por aprender mais de Jesus se acotovelavam do lado de fora. Um paralítico tinha ouvido coisas maravilhosas a respeito de Jesus e persuadiu quatro amigos a carregá-lo em sua esteira até à presença dEle. Mas quando chegaram à casa, a multidão se aglomerava junto à porta e eles não puderam entrar. Assim, como já vimos antes neste mês, subiram ao terraço, fizeram uma abertura e baixaram o paralítico "em sua maca... até o meio da multidão, bem em frente de Jesus". Luc. 5:19, NVI.

Se você fosse aquele paralítico deitado aos pés de Jesus, o que desejaria mais? Cura física ou espiritual? Jesus conhecia o coração dele. Reconhecendo as prioridades do paralítico, disse-lhe: "Homem, os seus pecados estão perdoados." Verso 20.

"O fardo de desespero cai da alma do doente; repousa-lhe no espírito a paz do perdão, brilhando-lhe no semblante. ... Em fé singela aceitou as palavras de Jesus como o favor de uma nova vida. Não insiste em nenhum outro pedido, mas permanece em jubiloso silêncio, demasiado feliz para se exprimir em palavras. A luz do Céu irradiava-lhe da fisionomia, e o povo contemplava a cena com assombro." – O Desejado de Todas as Nações, pág. 268.

Os fariseus entre a multidão não perceberam esse aspecto, e assim Jesus o expôs perguntando se era mais fácil curar uma pessoa física ou espiritualmente. Então, voltando de novo a atenção para a doença da vítima, disse ao paralítico: "‘Eu lhe digo: Levante-se, pegue a sua maca e vá para casa’. Imediatamente ele se levantou na frente deles, pegou a maca em que estivera deitado e foi para casa louvando a Deus. Todos ficaram atônitos e glorificavam a Deus." Versos 24-26, NVI.

"Oh! maravilhoso amor de Cristo, inclinando-se para curar o culpado e o aflito! A Divindade compadecendo-Se dos males da sofredora humanidade, e suavizando-os! Oh! maravilhoso poder assim manifestado aos olhos dos filhos dos homens! Quem pode duvidar da mensagem de salvação? Quem pode menosprezar as misericórdias de tão compassivo Redentor?" – Ibidem, pág. 269. – DRG


27 de abril

Jesus é Generoso Conosco

Dêem, e lhes será dado: uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante será dada a vocês. Pois a medida que usarem também será usada para medir vocês. Lucas 6:38, NVI.

Aqui Jesus nos diz que se medirmos alguma coisa, devemos usar uma concha grande e dar porções generosas, pois se o fizermos receberemos amplamente um retorno. Quando a pessoa que junta o trigo o aperta no recipiente de medida, sacode o recipiente e o enche até transbordar, o resultado é uma generosa medida de trigo.

Esse princípio se aplica quando damos dízimos e ofertas. As Escrituras dizem: "‘Ponham-Me à prova’, diz o Senhor dos Exércitos, ‘e vejam se não vou abrir as comportas dos céus e derramar sobre vocês tantas bênçãos que nem terão onde guardá-las." Mal. 3:10, NVI. Jesus é generoso conosco quando somos generosos com Ele.

Ao dar, devemos tomar duas decisões: Quanto dar e o quê. Para o dízimo é fácil, pois Deus ensina que devemos dar um décimo de nossa renda (Lev. 27:30-32; Deut. 14:22); e que devemos levar "o dízimo todo ao depósito do templo" (Mal. 3:10, NVI), ou seja, à igreja. Ao apresentar nossas ofertas, temos mais flexibilidade. Devemos dedicar as ofertas para ajudar pessoas e espalhar o evangelho, e assim sabemos onde dá-las, mas qual deve ser o seu valor? Embora Jesus tenha ensinado que nunca daremos mais do que o Doador, precisamos tomar algum tipo de decisão prática.

Quando Lillian e eu nos casamos, decidimos que, além do dízimo, daríamos pelo menos dez por cento de ofertas. Também nos propusemos dividir nossas ofertas igualmente entre a obra de Deus no exterior e Sua obra local. Por mais de 50 anos, temos experimentado a maravilha de ver Jesus cumprir Sua promessa: "Dêem, e lhes será dado: uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante será dada a vocês." Ele nos abençoou materialmente; porém, ainda mais importante, tem-nos abençoado espiritualmente. Deus Se torna mais importante para nós a cada ano que passa. Em cada momento de cada dia Ele nos satisfez as necessidades e anelos do coração. E como nos sentimos agradecidos! – DRG


28 de abril

O Poder de Jesus Sobre os Demônios

Então, saiu o povo para ver o que se passara, e foram ter com Jesus. De fato, acharam o homem de quem saíram os demônios, vestido, em perfeito juízo, assentado aos pés de Jesus. Lucas 8:35.

Os demônios haviam possuído dois homens em Gadara, a leste do Mar da Galiléia. Ambos os endemoninhados haviam fugido da sociedade e da vida civilizada e vivido em sepulcros antigos naquela região desolada do país. Tinham tornado as coisas tão inseguras, que as pessoas não podiam usar a estrada que passava por ali. Embora as autoridades os houvessem acorrentado várias vezes, os demônios que os controlavam faziam com que rompessem as correntes, rasgassem a roupa e escapassem para o deserto. Por aquele hostil cenário, os homens lastimavam-se, cortavam-se com pedras e assustavam todo o mundo. Nenhum ser humano conseguia subjugá-los, pois estavam sob o controle mais poderoso dos demônios.

Quando Jesus e Seus discípulos saíram do barquinho e pisaram na praia do lago, os homens avançaram em sua direção. Os discípulos fugiram de volta na direção do barco, mas Jesus não. Um dos endemoninhados aproximou-se dEle e desafiou em voz alta: "Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Rogo-te que não me atormentes." Luc. 8:28. Jesus expulsou os demônios de ambos os endemoninhados; e uma multidão saiu "para ver o que se passara". Encontraram os homens assentados aos pés de Jesus, vestidos e em seu juízo perfeito.

Os demônios ainda possuem as pessoas. Paulo adverte: "Nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios." I Tim. 4:1. Muitas pessoas nas prisões de hoje, sob influência demoníaca, violentaram, assassinaram e mutilaram pessoas inocentes. Respeitados executivos, possuídos por demônios, têm gananciosamente defraudado pessoas, arrancando-lhes milhões – às vezes as economias de uma vida inteira. Políticos sob a influência do mal têm-se vendido para continuar apegados a seus cargos e para manter seu abastado estilo de vida. Alguns de nós, possuídos pelos respeitáveis demônios do apego às riquezas, ou possuídos por um apetite descontrolado ou impulsos de excesso de trabalho, precisam vir a Jesus, sentar-se a Seus pés e permitir-Lhe que nos vista com Sua justiça e nos restaure ao "perfeito juízo". – HMSR


29 de abril

Enfrentar a Morte Sem Medo

Jesus tomou consigo a Pedro, João e Tiago e subiu a um monte para orar. Enquanto orava, a aparência de Seu rosto se transformou, e Suas roupas ficaram alvas e resplandecentes como o brilho de um relâmpago. Surgiram dois homens que começaram a conversar com Jesus. Eram Moisés e Elias. Apareceram em glorioso esplendor, e falavam sobre a partida de Jesus, que estava para se cumprir em Jerusalém. ... Saiu [da nuvem] uma voz que dizia: "Este é o Meu Filho, o Escolhido; ouçam-nO!" Lucas 9:28-35, NVI.

No Monte da Transfiguração, Jesus sabia que enfrentaria a morte e, como homem sujeito "aos mesmos sentimentos" (Atos 14:15), anelava consolo humano. Tinha levado três dos Seus discípulos para deles receber conforto, mas estes se encontravam extremamente sonolentos. Assim, o Pai de Jesus supriu a necessidade, enviando Moisés e Elias para falar com Cristo acerca de Sua morte e confortá-Lo. Moisés enfrentou uma situação semelhante quando subiu sozinho o solitário monte Nebo, sabendo que ali morreria. O líder hebreu teria morte natural, mas Jesus enfrentaria Seu destino às mãos dos líderes de Sua nação. Assim, o Pai de Jesus acrescentou uma mensagem de ânimo vinda do Céu: "Este é o Meu Filho, o Escolhido; ouçam-No!"

Mais de 50 anos depois, na solitária ilha de Patmos, Jesus apareceu a João como "o Filho do Homem" (Apoc. 1:13), conservando ainda a natureza humana, e assim identificando-Se com João. O discípulo deve ter-se emocionado muito. Ele não foi consolado por dois homens que tinham voltado à Terra, mas por um Deus-homem que proclamou: "Não temas; Eu sou... Aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno." Versos 17 e 18.

Todos nós podemos enfrentar a morte antes que Jesus volte. As palavras de Jesus: "Não temas... Sou Aquele que vive... Tenho as chaves da morte", são para cada um de nós. Porque Ele vive, nós também viveremos. A ressurreição de Jesus não é simplesmente a história de um escape temporário da morte e da sepultura. Jesus não viveu para morrer de novo. Sua proclamação sacode o mundo: "Eis que estou vivo pelos séculos dos séculos"; essa é a altissonante palavra da vitória definitiva de um Conquistador sobre a morte. Como Cristo, o Deus-homem vivo, venceu a sepultura, nós podemos enfrentar a morte destemidamente! – DRG


30 de abril

Que Caia o Fogo

Então [Jesus] lhes disse: "Qual pai, entre vocês, se o filho lhe pedir um peixe, em lugar disso lhe dará uma cobra? Ou se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai que está nos Céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!" Lucas 11:5-13, NVI.

Meu pai seguia na direção norte a caminho de uma reunião evangelística e sugeriu que passássemos um dia no Vale de Yosemite. Lembro-me de que, às nove horas daquela noite, nossa família aguardava no Campo Curry que ocorresse um evento muito especial. Centenas de metros acima da Geleira, os guardas florestais tinham feito uma fogueira com um tipo especial de casca de árvore e a deixaram apagar-se até ficar reduzida a brasas. Às nove em ponto, os guardas florestais gritaram lá para baixo: "Campo Curry, está preparado?" A resposta ecoou de volta: "Campo Curry está preparado. Que caia o fogo!" Diante disso, os guardas empurraram as brasas pela borda do precipício e nós, lá embaixo, vimos uma grande queda de carvões e brasas.

A igreja necessita hoje é do clamor: "Que caia o fogo!" Jesus perguntou certa vez: "Se um filho pedir alimento a seu pai, este lhe dará uma cobra ou um escorpião?" A única resposta plausível é: "Logicamente não". Jesus continuou: "Quanto mais o Pai que está nos Céus dará o Espírito Santo a quem o pedir!"

Quando foi a última vez que você pediu o Espírito Santo? Não devíamos ser reticentes em fazê-lo. "Não está longe o tempo em que os homens queiram muito mais estreita relação com Cristo, mais achegada união com Seu Santo Espírito, do que jamais tiveram ou terão, a não ser que abandonem sua própria vontade e seu caminho, e se submetam à vontade e ao caminho de Deus. O grande pecado dos que professam ser cristãos é não abrirem o coração para receber o Espírito Santo." – Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 57.

Jesus está conosco através do Espírito Santo. Deveríamos orar todos os dias: "Enche-me hoje com o Teu Espírito, Senhor; usa-me. Que caia o fogo!" Deus deseja revelar-Se ao mundo mediante o poder do Espírito Santo em nossa vida. Ele espera que entremos num relacionamento mais profundo com Cristo através de uma união mais íntima com o Espírito Santo, porque com o Espírito de Jesus em nossa vida teremos amor maior pela Palavra, amor maior de uns para com os outros e um desejo maior de que Jesus volte. – HMSR


Aguade 01 de maio!

RETORNAR